novo horizonte fainor Visualizar

PROTESTO - Sem avanço na campanha salarial, servidores ameaçam greve geral em Conquista

Os servidores municipais de Vitória da Conquista, a 509 km de Salvador, ameaçam cruzar os braços e deflagrar greve geral diante da falta de avanço nas negociações com a Prefeitura.


         
Depois dos sindicatos dos professores (SIMMP) e dos servidores (Sinserv), foi a vez do Sindicato de Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate as Endemias da Bahia (Sindacs) protestar em rente ao prédio administrativo da Prefeitura. A manifestação ocorreu na manhã desta terça-feira (3).

De acordo com a presidente do Sindacs, Rita Suzana França Silva, não houve avanço nas reivindicações na última rodada de negociações. “O Governo nos ofereceu 2,76% de reajuste salarial e 5% de vale-alimentação”.

A mesma proposta foi feita ao SIMMP, que também rejeitou e manteve a mobilização da categoria. O sindicato dos profissionais em educação reivindica cumprimento integral da Lei do Piso, plano de carreira dos profissionais da educação, garantia para o transporte de alunos e profissionais da educação, ampliação do atendimento da educação infantil, plano de saúde e programa habitacional.

Os servidores municipais, por sua vez, decidiram suspender as atividades em 11 de julho e fazer manifestação em frente ao prédio da Prefeitura, nessa mesma data. O protesto é parte das reivindicações em pauta na Campanha Salarial 2018 A decisão foi tomada em assembleia, realizada na sexta-feira (29).

De acordo com a diretoria do Sinserv, sindicato dos servidores, a categoria também não aceitou a proposta da Prefeitura. Em recente entrevista à imprensa local, o secretário municipal de Administração, Jonas Souza Sala, disse que o município já teve rodadas de negociação com todos os sindicatos, onde dispôs "de maneira clara números e dados sobre toda a Prefeitura". 

Sala destacou que a administração ouviu as reivindicações, anotou todos os pontos que os sindicatos levantaram e que irá dar sequência às negociações. A Prefeitura ainda não emitiu nota sobre a mais recente manifestação. 

Postar um comentário

0 Comentários