PREVISÃO DO TEMPO

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Enem 2017: Tema da redação foi recado da banca, avalia professor

Estudantes aproveitam minutos antes do início da prova do ENEM para estudar, em frente aos portões da Uninove, campus Barra Funda
Considerado um tema inesperado, a proposta de redação da edição de 2017 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pode ter sido um “recado da banca” que formulou a prova. Esta é a avaliação que o professor Sérgio Paganim, supervisor de Português do Anglo Vestibulares, faz pouco mais de 24 horas após a revelação de que os seis milhões de candidatos que se inscreveram na prova precisariam dissertar sobre a educação de pessoas surdas no Brasil.
Para Paganim, ao escolher um tema considerado inesperado, o Enem dribla os esforços de adivinhação da proposta e preparação prévia e praticamente garante que os candidatos precisem elaborar uma redação a partir dos textos que integram a coletânea. “Prova de redação não é imaginar o tema antes. É avaliar a competência de ler os textos e pensar em uma argumentação a partir do tema da forma como foi posto naquele momento”, argumenta. “Passa a ser uma prova de leitura que precede a prova de escrita.”
O professor ressaltou que a frase-tema escolhida pelo Instituto Nacional de Educação e Pesquisas (Inep), órgão do Ministério da Educação que elabora o exame – “os desafios para a formação educacional de surdos no Brasil” – , são a maior evidência de que existia a expectativa de um uso maior dos textos da coletânea. “Olhe essa frase-tema. Se só ela for observada como foi divulgado no primeiro momento, o tema dá receio porque são expressões muito amplas, mas esses ‘desafios’ citados estão delineados nos textos. Ler bem era o passe para fazer uma boa redação.”
Ao todo, são quatro os conteúdos oferecidos aos candidatos para auxiliar na elaboração da redação. Paganim ressalta a questão em torno de “que tipo” de educação deve ser oferecida às pessoas surdas: devem ser ensinadas em escolas especiais, escolas comuns com adaptação ou, ainda, a possibilidade intermediária, classes exclusivas dentro de escolas comuns?

Questões

Para o supervisor de Português do Anglo Vestibulares, as quarenta questões em português da área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias proporcionaram uma prova com potencial de fazer uma “boa seleção” dos candidatos. O professor avalia que esse deve ser o resultado da opção do Enem de ter mais questões sobre artes, com interpretações de pelas publicitárias ou com metalinguagem – textos que também envolvem reflexões sobre o ato de escrever.
O efeito dessa escolha da banca que elaborou o exame teria sido um equilíbrio: interpretar obras de arte e referências à escrita são mais difíceis, enquanto depreender conceitos a partir de peças de publicidade acontece com mais tranquilidade. Assim, permitiram tanto que candidatos com repertório cultural se sobressaíssem ao mesmo tempo em que não puniriam excessivamente, avalia o professor, aquele estudante que não está no mesmo patamar de referências, mas se dedicou à leitura e interpretação dos textos e imagens.
No domingo, 5, os estudantes responderam a 90 questões de múltipla escolha nas áreas de Linguagens e Códigos e de Ciências Humanas, além de elaborarem a redação. No próximo domingo, dia 12, será a vez das provas de Ciências da Natureza e de Matemática.
REDAÇÃO DO ENEM 2017: TEMA TEM ERRO PRIMÁRIO DE PÚBLICO-ALVO

A redação do tema, tal como divulgada pelo INEP, volta-se claramente não ao público do Ensino Médio, mas para os profissionais responsáveis pela formulação de políticas, teorias e práticas relacionadas à educação de pessoas surdas ou com déficits auditivos severos - noutras palavras, volta-se para os agentes públicos e para pedagogos. Concordo com o professor Jeosafá, que foi da equipe do primeiro ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores

Em que pese a pertinência da escolha, o tema da redação do ENEM 2017 ofereceu aos jovens candidatos egressos do Ensino Médio dificuldades que não lhes dizem respeito. Isso porque o tema não é a inclusão de surdos ou do portador de deficiência auditiva severa , nem a necessidade de respeito à pessoa humana com limitações seja de que ordem for. O tema, explicitamente, é "Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil."

Os textos de estímulos oferecidos, que envolveram legislação e informações do INEP, não resolvem o problema de equívoco de público-alvo cometido na redação da temática divulgada ainda durante a aplicação do Exame (insisto, o tema volta-se a educadores, pedagogos, professores, profissionais da educação com nível Superior e gestores do sistema, não a estudantes do Ensino Médio entre 16 e 18 anos em sua maioria).

Forçado a propor intervenções para um tema voltado a um público específico (gestores e pedagogos), a tendência do candidato não especialista será, em relação ao tema tal como proposto, tangenciá-lo - e quando o fizer estará correto, pois não cabe a um estudante de Ensino Médio dominar teorias pedagógicas que lhe proporcionem condições de apresentar propostas de intervenção concretas, que sequer estão no horizonte de pedagogos e agentes governamentais atuais. Aliás, quantos estudantes de pedagogia de nossas melhores universidades estariam em condições tratar desse tema tão específico? Aliás, desafio o ministro da educação a redigir esta redação, sem consulta, neste exato momento. Veremos como ele se sai - qual seria sua nota? Aliás, pergunta meu amigo Plínio de Mesquita: "Teriam sido os alunos das escolas privadas amigas da atual gestão do MEC pegos de surpresa"? Noutras palavras, o direcionamento (proibido em concursos públicos) do tema favoreceu quem?

Sem saber o que fazer com a educação brasileira e menos ainda com a educação para surdos, com medo do MBL e da famigerada Escola Sem Partido, o INEP e o MEC atiram os jovens candidatos do ENEM aos leões, para ver se dessa massa de 6,7 milhões de jovens candidatos extraem luzes que iluminem as cabeças vazias e mal intencionadas que hoje dirigem os mesmos INEP, MEC e governo Temer. Obrigado a realizar esta edição do ENEM também em LIBRAS, INEP, MEC e Governo Temer tiram o corpo de sua responsabilidade e a delegam para jovens, que não têm nada a ver com a péssima qualidade da atual gestão do MEC que, fruto de um golpe de Estado, não consegue dar uma dentro, mesmo quando tenta "fazer média" com a sociedade.

O que ocorrerá na banca de correção do ENEM, em face do tema técnico de nível superior da área de educação mal redigido, é que o critério de pertinência temática terá de ser relativizado, melhor seria dizer afrouxado (melhor para os candidatos), caso contrário uma massa imensa de redações terá pontuação, nesse quesito, muito abaixo da média, puxando a média histórica do Exame, com certeza, para seu pior índice desde que o ENEM foi instituído em 1998. A expressão "formação educacional", em particular, terá de ser considerada com extrema larguesa, pois estudantes de Ensino Médio simplesmente não tem a menor obrigação de dominar as especificidades relativas à pedagogia voltada para surdos, principalmente quando a própria gestão atual do MEC tem tão pouco a dizer sobre esse assunto.

PRF FINALIZA A OPERAÇÃO FINADOS 2017 NA BAHIA; VEJA OS NÚMEROS

Resultado de imagem para PRF NA ESTRADA
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) encerrou às 23h59 de ontem (05) a
Operação Finados 2017 na Bahia. Desde quarta-feira (1), foi montado um
esquema especial para reforçar o policiamento e a fiscalização nas rodovias
federais do estado no período do feriado prolongado de Finados. Nos cinco
dias de Operação, a PRF fiscalizou 4.895 veículos e 4.677 pessoas, realizou
2.872 testes de alcoolemia e operou com os radares fotográficos nos pontos
mais críticos.

Como consequência das abordagens, foram presas 19 pessoas, sendo
seis por embriaguez ao volante, e as demais por crimes diversos como porte
ilegal de arma, uso de documento falso, receptação, entre outros. Houve ainda
a recaptura de dois indivíduos com mandados de prisão em aberto e a
recuperação de dois veículos roubados.

AUTUAÇÕES

EXCESSO DE VELOCIDADE 3320
ULTRAPASSAGENS INDEVIDAS 945
NÃO USO DO CINTO DE SEGURANÇA 108
MOTOCICLISTAS SEM CAPACETE 48
ALCOOLEMIA 46
CRIANÇAS SEM CADEIRINHAS 19

Durante o trabalho de fiscalização, os policiais deram maior atenção às
condutas mais perigosas e, infelizmente, flagraram inúmeras irregularidades. A
mais frequente delas foi o excesso de velocidade, com 3.320 veículos flagrados
acima do limite permitido pela via. Em segundo lugar, outra conduta
extremamente perigosa, a ultrapassagem indevida: 945 motoristas efetuaram a
manobra pelo acostamento, em faixa contínua ou em momento inapropriado,
gerando risco de acidentes graves.

O não uso do cinto de segurança, seja pelo motorista ou pelos
passageiros também foi outra infração observada nesse feriadão: 108 veículos 
foram autuados por esse motivo. Além do cinto, outro dispositivo de segurança
negligenciado foi o capacete para os ocupantes de motocicletas, infração
flagrada 48 vezes desde quarta-feira, assim como os dispositivos de retenção
para crianças (bebê conforto, cadeirinha e assento de elevação). Foram 19
autos pela ausência dos equipamentos.

Já com relação ao consumo de bebida alcoólica, dos 2.872 testes
realizados, 46 apontaram que o condutor havia bebido antes de pegar a
estrada e foram autuados. Seis deles, além da infração administrativa, foram
presos por embriaguez ao volante, pois apresentaram teor alcoólico no sangue
que configura crime de trânsito.

ACIDENTES

Apesar da fiscalização, as rodovias federais baianas tiveram 61
acidentes no feriadão de Finados, dos quais 16 tiveram pelo menos um ferido
grave ou um morto e, portanto, foram considerados graves. As ocorrências
resultaram em 47 pessoas feridas e seis mortas.

"Nós comparamos os resultados deste feriado de Finados com o da
Independência, pois foi o último a cair numa quinta-feira. Em 2016, Finados
caiu quarta-feira e, portanto, não houve descanso prolongado, o que altera de
maneira significativa as dinâmicas de deslocamento e não gera tanta alteração
no fluxo das rodovias", disse o chefe do Núcleo de Comunicação Social da PRF, Rafael Santana Freire

DESTAQUE

Cidade mais pobre do país fica na Bahia; veja top 10 dos mais ricos e pobres

Ficou na Bahia, mais especificamente no Nordeste do estado, o título de cidade mais pobre do Brasil. A ‘conquista’ é de um município que,...

AS 5 + LIDAS