PREVISÃO DO TEMPO

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Piripá: corpo não identificado é encontrado dentro de carro carbonizado na zona rural


Um corpo não identificado foi encontrado dentro de um carro carbonizado na Zona Rural de Piripá, no Sudoeste Baiano, na manhã desta quinta-feira (2). De acordo com o titular da Delegacia Territorial, Florisvaldo Nery da Cruz o fato aconteceu numa estrada vicinal próximo ao Lixão. As informações são do Blog do Anderson.

Ainda de acordo com o delegado, a suspeita é que o veículo seja um dos que foram roubados no estacionamento da Delegacia durante uma onda de vandalismo nos últimos dez dias.

Uma equipe da 10ª Coordenadoria de Polícia do Interior registra a ocorrência ao lado do Departamento de Polícia Técnica. Os restos mortais serão trazidos para o DPT em Vitória da Conquista.

ESPECIAL - Conheça Florisvaldo, o delegado mais impopular da Bahia

Cidade se mobiliza para tirá-lo do cargo; polícia investiga ataque a delegacia

Por Mário Bittencourt (Correio 24 horas) - Quando o delegado Florisvaldo Nery da Cruz chegou à pacata Piripá, no Sudoeste baiano, em maio de 2006, ele pensava em fazer amigos e realizar o trabalho com apoio da sociedade civil e do Governo do Estado.
Contudo, mais de dez anos se passaram e ele, hoje com 64 anos, virou para boa parte dos 12 mil moradores da cidade ‘persona non grata’, alguém que muitos querem longe do cargo que ocupa.
Nomeado em 2003, o delegado Florisvaldo passou a atuar em Piripá em maio de 2006 depois de comandar as delegacias de Cordeiros e Guajeru, ambas no Sudoeste, e com pouco mais de 8 mil habitantes cada uma.
Ele mesmo quem pediu transferência, pois achava, na época, que era melhor atuar em uma unidade da Polícia Civil vinculada à 10ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin), sediada em Vitória da Conquista, como é a de Piripá.
“A delegacia de Guajeru é vinculada à 20ª Coorpin, de Brumado, e ao menos na época era muito desestruturada, funcionava em local improvisado, era uma casa alugada. Já a Corpin de Vitória da Conquista é outra coisa, bem melhor”, comentou, em conversa com o CORREIO.
Logo ao chegar em Piripá, o delegado Florisvaldo conta que passou a investigar supostos atos de corrupção do então prefeito Jeová Barbosa, que já foi condenado pela Justiça Federal por fraudes diversas na administração pública local.
Jeová não foi localizado para comentar sobre a relação dele com o delegado, que atribui a pessoas ligadas ao ex-prefeito, e ao atual grupo político que comanda a cidade, um protesto que destruiu a delegacia na madrugada de terça-feira (31).
30 armas roubadas
Na ação, um grupo de cerca de 50 pessoas invadiu a sede da delegacia e, além de destruí-la, incendiaram dois veículos estacionados na porta e roubaram, segundo o delegado, mais de 30 armas e cerca de 100 motos apreendidas que estavam nos fundos da delegacia.
As armas são revólveres e espingardas, algumas de calibre 12, de acordo com Florisvaldo, que é acusado de não estar realizando investigações criminais. Ele nega, diz que o protesto é político e que só não trabalha mais porque o Governo da Bahia não dá infraestrutura – na delegacia de Piripá só tem ele de policial.
Inquérito aberto
A Polícia Civil, em Salvador, informou que já foi aberto inquérito para investigar a destruição da delegacia e identificar os autores do crime.
O prédio da delegacia local pertence à Prefeitura de Piripá. De estrutura da Polícia Civil, tinha apenas aparelho de fax, computador, impressora, linha telefônica e uma viatura que não foi danificada.
Dois dias depois do ocorrido, o que se vê nas paredes da delegacia são frases como “fora delegado”, “delegado Florisvaldo quer arruinar a cidade” e outras que afirmam que o policial “apoia bandido e ladrão”. Escritos semelhantes também estão em muros e lojas do comércio no Centro da cidade.
Na boca do povo
Semana passada, uma manifestação contra o delegado reuniu cerca de 1.500 pessoas, segundo estimativas da Prefeitura de Piripá. Eles levavam faixas de protestos diversas, como “Fora delegado, o povo piripaense não te aguenta mais”.
Apesar da reclamação da falta de segurança, nas estatísticas da Secretaria de Segurança Pública (SSP) a cidade de Piripá quase não possui registros de violência – no entanto, segundo a população, muito desse resultado tem a ver com as constantes negativas do delegado em registrar as ocorrências.
Disponíveis ao público, os dados seguem uma quantidade de notificações semelhantes a de cidades do porte de Piripá.
No município, em 2014, houve um homicídio doloso, um estupro e cinco roubos/furtos de veículos; no ano seguinte, apenas um homicídio doloso e dois furtos de veículos; em 2016, uma pessoa foi assassinada, tentaram matar outra e os casos de furto a veículos subiram para nove. Este ano, segundo a SSP, não foram registradas ocorrências.
Quatro remoções
O delegado já foi removido do cargo quatro vezes (em 2007, 2013, 2014 e 2015), sendo transferido para outra cidade, porém, conseguiu reverter a situação na Justiça em 2016, após conseguir liminar (decisão temporária).
Em favor dele, o delegado tem o Ministério Público do Estado (MP-BA), autor, em 2014, de uma ação civil pública contra o Governo da Bahia, julgada procedente em 2015. A ação determina, dentre outras coisas, que o Estado forneça estrutura de pessoal e material para que o delegado possa exercer as funções.
Trabalho dificultado
Florisvaldo diz que sua atuação como delegado em Piripá tem sido dificultada ano a ano. “Quando cheguei, tinha ainda um agente e um escrivão. Hoje, sou sozinho, moro na cidade, sou delegado 24 horas. Mas o que acabei me transformando mesmo foi num mero lavrador de boletins de ocorrência, pois não tenho como fazer investigações, devido à falta de estrutura”, declarou.
O delegado disse ainda que em 2008 fez curso de pós-graduação em Direito Público e Controle Municipal, tendo a monografia como tema “O combate à corrupção em Prefeituras Municipais: uma análise sobre a administração de Piripá em 2007 e 2008”.
“Usei as informações do meu trabalho para fazer o meu trabalho acadêmico”, disse o delegado, que, ao ser questionado sobre os registros da SSP, disse que “elas não apresentam a realidade e que só este ano realizou mais de 200 registros, entre fatos delituosos e outros, como perda de documentos”.
Queima de arquivo
“É um grupo de pessoas ligadas a políticos que não gostam de mim na cidade. Em 2007, logo depois que entrei, consegui que a Justiça emitisse um mandado de busca e apreensão de documentos da Prefeitura sobre processos fraudulentos de pagamentos, superfaturados, dentre outras ilegalidades. Na época, tentaram por fogo na delegacia para tentar destruir as provas”, contou. “É esse mesmo grupo que manda na cidade hoje”, complementa delegado Florisvaldo.
O procurador da Prefeitura de Piripá, advogado Saulo de Tarso, negou que a gestão do prefeito Flávio Oliveira Rocha (PTB) tenha relação com as manifestações. “Quem está fazendo isto é o povo, que não aguenta mais. A nossa gestão é de oposição à de Jeová, não temos nada a ver com ele”, comentou o procurador.
Em nota, a Prefeitura diz que está disposta a “recuperar a delegacia e fornecer funcionários para trabalhar no local”, mas “isto só será feito se um novo delegado for designado ao Município, pois se o mesmo permanecer, correrá o risco de o prédio ser depredado pela população (novamente)”.
Porque a Justiça quer
A Polícia Civil, também em nota, declarou que “o delegado Florisvaldo Nery da Silva só trabalha na Delegacia de Piripá por ordem da Justiça”.
“Todas as medidas administrativas possíveis para retirá-lo da função, como aposentadoria por invalidez ou remoção, já foram adotadas pela instituição, mas a Justiça, em todas essas ocasiões, determinou que o servidor retornasse ao posto na Delegacia de Piripá”, continua a nota da Polícia Civil.
O delegado-geral Bernardino Brito, da Polícia Civil, recebeu há algumas semanas uma comissão de representantes da sociedade de Piripá, que fazia uma série de restrições ao trabalho do delegado.
Só sai aos 70
Brito narrou que “o delegado apresentou, durante dois anos, atestados médicos, o que motivou sua aposentadoria por invalidez. Florisvaldo, porém, levou o caso à Justiça e esta, mais uma vez, mandou que ele voltasse ao cargo”.
O jornalista questionou Florisvaldo sobre os atestados e ele disse que ocorreu de 2014 a 2016, devido a um problema no ombro e outro no joelho. Disse ter feito cirurgias, contudo, e que está apto para o trabalho até a aposentadoria compulsória, aos 70 anos.

Remoção de delegado de Piripá não resolve problema, diz sindicato

Déficit total de cargos na Polícia Civil é de 32%
O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado da Bahia (ADPEB) não considera a saída do delegado Florisvaldo Nery, de Piripá, no Sudoeste baiano, solicitada por parte da população, como a medida mais importante para melhorar a situação da segurança pública na cidade. Em nota enviada ao CORREIO, a entidade de classe considerou que “antes é preciso ressaltar que as condições de trabalho oferecidas na unidade policial de Piripá não são as ideais, porquanto conta com um número reduzido de investigadores, escrivães e precária estrutura física.”
A ADPEB também disse repudiar "veementemente, o ato criminoso que aconteceu na sede da delegacia" da cidade, ocorrido na madrugada do dia 31. “O protesto como modo de externar a vontade do cidadão é valido e legal, porém não aceitaremos, sob nenhuma hipótese, que marginais, disfarçados de cidadão de bem e em defesa de interesses pessoais, ataquem a honra e impeçam um delegado de polícia de exercer as suas funções”, disse o presidente Fabio Lordello.
Conforme a entidade, a situação de Piripá é semelhante à de outras unidades policiais do Estado. A ADPEB informou que oficiou o delegado-geral da Polícia Civil, solicitando adoção de providências quanto às reformas estruturais de algumas unidades do interior e da capital, em muitas das quais houve fugas e rebeliões.
Como exemplos, cita a 28ª Delegacia (Nordeste de Amaralina, em Salvador) e as delegacias de Juazeiro, Miguel Calmon, Remanso, Alagoinhas, Itamaraju, Ibirapitanga, Boquira, Macaúbas, Brumado, Jacobina, Ipirá, Jaguaquara, Vera Cruz, Aurelino Leal, Senhor do Bonfim, Campo Formoso e Paripiranga.
Déficit
Em 2016, o estado, segundo dados da Secretaria de Administração do Estado da Bahia, possuía 6.068 funcionários na Polícia Civil, sendo 895 delegados, 4.134 investigadores e 1.039 escrivães. O déficit total de cargos é de 32,07%.
Procuradas para comentar sobre esses dados, a SSP-BA e a Polícia Civil não responderam.

DESTAQUE

Cidade mais pobre do país fica na Bahia; veja top 10 dos mais ricos e pobres

Ficou na Bahia, mais especificamente no Nordeste do estado, o título de cidade mais pobre do Brasil. A ‘conquista’ é de um município que,...

AS 5 + LIDAS