PREVISÃO DO TEMPO

terça-feira, 13 de junho de 2017

Mulher é detida pela PRF em Jequié transportando crack para Maceió


Policiais Rodoviários Federais prenderam, na tarde de hoje (13), uma passageira de um ônibus interestadual transportando substância análoga ao crack de Uberlândia/MG para Maceió. O flagrante ocorreu por volta das 14h quando a equipe PRF abordou, no KM 677 da BR 116, em Jequié, Sudoeste da Bahia, um ônibus de transporte de passageiros.



Durante a fiscalização no compartimento de cargas do veículo, os policiais encontraram, dentro de uma mala, 4 tabletes de substância análoga ao crack pesando aproximadamente 3,75 kg. A proprietária da bagagem foi identificada, uma mulher de 28 anos, que, ao ser questionada, informou ter sido contratada por um homem no município mineiro de Uberlândia, onde recebeu a droga, e a levaria até a cidade de Maceió/AL, recebendo certa quantia em dinheiro pelo transporte.

A passageira foi detida e encaminhada com a droga para a delegacia de polícia judiciária local, onde responderá por tráfico de entorpecente.

Texto e fotos: Nucom/PRF

Identificado rapaz morto no Pedrinhas; A vítima é filho de empresário em Itapetinga

Resultado de imagem para diego filho de napinho
Foto: Itapetinga na Mídia/arquivo

DIEGO GALVÃO BARBOSA DE OLIVEIRA, 35 anos, o "Diego Playboy". Este é o nome da vítima abatida a tiros por volta das 14h45 desta terça-feira, 13, na Travessa 5, bairro Pedrinhas, zona leste de Vitória da Conquista.

Filho do empresário do ramo de supermercados, Napoleão Oliveira Filho, conhecido popularmente por ‘Napinho’, residente em Itapetinga,  Diego tem um histórico de passagens pela polícia por uso e posse de drogas e arrombamentos, além de outros delitos.

Viciado em drogas, o rapaz já foi internado várias vezes em clínicas de recuperação para tratar do vício e se recuperar, sem conseguir êxito.

Ele foi perseguido e morto a tiros, enquanto tentava fugir do criminoso. A vítima ainda tentou fugir, mas não resistiu e morreu numa calçada. Este é o 5º homicídio do mês em Conquista.

No final da tarde a PM fez um cerco a três suspeitos de participação no crime. Os policiais foram recebidos à bala. No confronto, o trio se deu mal. Eles chegaram a ser socorridos mas morreram ao dar entrada no Hospital de Base. Os nomes ainda não foram divulgados.


CONQUISTA - Jovem morto a tiros no bairro Pedrinhas

Foto: Redes sociais
Um rapaz de identidade ainda desconhecida foi morto a tiros na Travessa 5, no bairro Pedrinhas, zona leste de Vitória da Conquista. Testemunhas contam que um homem perseguiu a vítima e atirou nas costas. Ele ainda tentou se levantar, mas acabou morrendo na calçada. O crime foi por volta das 14h45 desta segunda-feira, 13. É o 5º homicídio este mês na cidade. A PM esteve no local e isolou a área para o trabalho dos peritos do Departamento de Polícia Técnica (DPT).

Em breve, mais informações.

Para evitar prisão, ex-ministro Geddel Vieira Lima oferece passaporte ao STF

geddel_vieira_lima
O ex-ministro Geddel Vieira Lima, que ocupou a Secretaria de Governo no início do governo de Michel Temer, antecipou-se a um possível pedido de prisão contra ele pelo Ministério Público Federal (MPF), colocando seu passaporte e seu sigilo bancário à disposição do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).
Em petição apresentada na noite de ontem (12) dentro do inquérito que investiga Temer no Supremo, Geddel citou notícia veiculada no mesmo dia pela coluna do jornalista Lauro Jardim no jornal O Globo, em que se afirma que o ex-ministro seria “o próximo alvo do Ministério Público”, órgão poderia pedir sua prisão.
O ex-ministro também anexou imagem de uma nota publicada pelo site O Antagonista, que repercutiu a informação sob o título: “O próximo preso”.
“Excelência, com as devidas e necessárias licenças, este peticionário tem certeza de que as decisões desse Supremo Tribunal Federal, assim como requerimentos do Ministério Público Federal, não são (e jamais serão) pautadas em especulações da imprensa”, escreveu o advogado de Geddel, Gamil Föppel, na peça.
A defesa ressaltou não haver motivo para medidas cautelares mais graves contra o ex-ministro, como uma suposta prisão, pois ele vem colaborando com a Justiça. Geddel se comprometeu, na petição apresentada a Fachin, a não fazer movimentações maiores do que R$ 30 mil em suas contas bancárias.
O ex-ministro solicita ainda que não pese contra ele o fato de ter ficado calado durante depoimento prestado no último dia 8 de junho.
Geddel Vieira Lima foi citado mais de uma vez na delação premiada dos executivos do grupo empresarial J&F, que deu origem à investigação contra Temer. Segundo os depoimentos, ele seria o intermediário nas negociações com o presidente até o momento em que foi afastado da articulação do governo no Congresso. Apesar disso, ele não figura como investigado no inquérito.
Por Felipe Pontes – Repórter da Agência Brasil

EXCLUSIVO - Quadrilha está sacando FGTS inativo de trabalhadores em Conquista; Criminosos compram dados de contas inativas pelo WhatsApp

Uma quadrilha, estabelecida em São Paulo (mas com ramificações em todo o País), está sacando recursos do FTGS inativo de trabalhadores baianos - especialmente em Vitória da Conquista, sudoeste do estado, utilizando senhas "clonadas". Pelo menos 20 pessoas de Conquista teriam sido lesadas, com saques indevidos por bandidos na agência da CEF 10402306 SP.

Dois homens presos no DF revelaram que estavam com informações de contas inativas provenientes da Bahia. Como se trata de crime federal, a dupla foi levada para a Superintendência Regional da Polícia Federal (SRDF), no Setor Policial Sul. Assim como os outros detidos, eles serão autuados por fraude, estelionato e falsidade ideológica.

Além de ações no DF, bandidos foram presos em outras unidades da Federação. No sábado (10), por exemplo, a Polícia Federal desarticulou uma quadrilha que agia em São Paulo. Os 17 criminosos detidos aproveitaram o dia de mutirão da CEF para lucrar.

Com eles, foram localizados dados de pelo menos 177 contas de FGTS, mas nem todas tiveram seus recursos sacados. A Polícia Federal explicou que retiradas de até R$ 3 mil podem ser realizadas em terminais de autoatendimento simplesmente com a inserção dos dados do PIS, do correntista e da senha eletrônica disponibilizada pela Caixa, sem a necessidade de cartões magnéticos ou apresentação de documentos.

Uma fonte da polícia confirmou a suspeita de que uma rede criminosa estaria por trás da divulgação desses dados. Um dos bandidos admitiu, ao ser preso, ter recebido material pelo WhatsApp. A opção de compartilhar as informações de correntistas pelo aplicativo se daria em função de a tecnologia do app ser criptografada. Dessa forma, nem mesmo com determinações judiciais as autoridades conseguem acessar conteúdo armazenado nos servidores do aplicativo.

A Caixa Econômica Federal tem recebido queixas sobre a fraude, mas o superintendente regional da instituição, Marcos Vinícius, prefere ignorar as denúncias, alegando que a CEF não envia E-mails, nem mensagens em aplicativos solicitando senhas.

Em entrevista à TV Cabrália, direto de Itabuna, ele prefere creditar ao trabalhador as "falha na linha de defesa", supondo que "o próprio trabalhador cai na fraude" ao ser interpelado pelos bandidos, que entram em contato solicitando dados para aplicar os golpes. "Não há linha de defesa que detecte isso", concluiu.

Na mira da PF

A onda de fraudes envolvendo saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) está na mira da Polícia Federal. Após as prisões de criminosos no Distrito Federal, em São Paulo e em Minas Gerais, a corporação quer saber como os bandidos tiveram acesso às informações das vítimas. Informações preliminares, apuradas com os últimos suspeitos detidos, indicam que os dados podem estar sendo vendidos no mercado paralelo, inclusive por meio do WhatsApp.

Embora as apurações estejam em fase inicial, não é descartado o envolvimento de servidores da Caixa Econômica Federal (CEF) no repasse de informações às quadrilhas que têm agido no país. A Caixa disse que não poderia informar detalhes sobre como os dados foram vazados. A instituição financeira afirmou que todos os detalhes foram passados à Polícia Federal. A corporação, por sua vez, não se manifestou.

A onda de retiradas ganhou força nos últimos dias. No sábado (10), por exemplo, três pessoas foram presas pela Polícia Militar do Distrito Federal após efetuaram saques com dados roubados. Um dos bandidos havia trabalhado em uma casa lotérica de São Sebastião e furtou dados e senhas de clientes. Apenas em uma agência do Núcleo Bandeirante, foram oito saques. Os outros dois detidos tinham acabado de levar dinheiro de uma filial da Caixa em Águas Claras.

Nesta segunda-feira (12), PMs prenderam dois homens que tinham acabado de fazer saques do FGTS em uma agência da Caixa de Taguatinga. Eles foram detidos em flagrante pouco depois, quando tentavam repetir a fraude em Águas Claras.

De acordo com a polícia, a dupla não informou como teve acesso à documentação de clientes do banco. Entretanto, em uma revista feita no carro dos suspeitos, os militares encontraram R$ 3,7 mil; recibos com número de PIS; nomes e datas de nascimento de contribuintes — dados necessários para o saque de contas inativas do FGTS.

A Polícia Federal afirmou ter iniciado investigações para verificar a totalidade de contas que tiveram seus dados violados pelos presos, o montante do prejuízo causado, se há conexão entre os envolvidos e quais o os meios utilizados para a obtenção dos dados pessoais dos verdadeiros titulares das contas inativas.

Os indivíduos autuados e presos em flagrante permanecerão à disposição da Justiça Federal no sistema prisional estadual paulista. Eles responderão pelo crime de furto qualificado por meio de fraude, com penas de 2 a 8 anos de reclusão.


A Caixa Econômica Federal disse, por meio de nota, que “os vigilantes das agências de todo o país foram preparados para identificar atitudes suspeitas nos saques do FGTS”. A CEF disse também que orienta os trabalhadores a encontrar informações seguras e atualizadas no site do banco, em seus perfis oficiais nas redes sociais e por meio do telefone 0800-726-0207.

Polícia Federal apreende documentos em clínica durante operação em Brumado

PF faz buscas em Brumado contra desvio de verbas do programa de glaucoma
Fotos: Wilker Porto | Agora Sudoeste

A Polícia Federal iniciou em Brumado, sudoeste da Bahia, a Operação Hoder, que cumpre quatro mandados de prisão temporária, um de condução coercitiva e oito de busca e apreensão. Os cumprimentos dos mandados aconteceram na manhã desta terça-feira, 13. Todos expedidos pela justiça federal de Maceió, Marechal Deodoro, Itabaiana, Sergipe, Brumado, Bahia e Goiânia, Goiás.

O nome dado à operação é de um personagem da mitologia nórdica, um deus cego, referência à natureza dos ilícitos investigados, uma vez que os recursos desviados seriam destinados ao tratamento de doença que pode levar à cegueira.

Em Brumado, os policiais federais buscaram documentos no Instituto Oftalmológico da Bahia, clínica de oftalmologia localizada na Rua Marechal Deodoro da Fonseca.

Brumado: Polícia Federal apreende documentos em clínica oftalmológica

De acordo com informações, foi constatada a existência de uma organização criminosa responsável por lesar a União, através do SUS, prestando informações divergentes sobre atendimentos médicos e fornecimento de medicamentos para tratamento de glaucoma.

Segundo a PF, empresas ligadas aos investigados receberam dinheiro a mais do que deveria ter sido repassado às mesmas. Durante as investigações, foi constatado que as irregularidades ocorreram entre os anos de 2014 e 2016, entretanto, algumas práticas criminosas ocorriam até hoje. Uma empresa investigada em Maceió recebeu cerca de R$ 16 milhões do SUS para custear consultas e fornecimento de colírios.

Em auditorias passadas realizadas pelo Denasus, determinou-se o ressarcimento de cerca de R$ 9.300.000,00 à União em face de constatações de irregularidades. Na investigação constatou-se que as práticas ilegais permanecem até a atualidade, sendo certo que, entre 2014 e 2016, somente a empresa sediada em Maceió recebeu em torno de R$ 16 milhões do SUS para custear consultas e fornecimento de colírios. 

Está sendo utilizado um efetivo de 50 policiais federais das Superintendências Regionais da PF em Alagoas, Bahia e Goiás para execução das medidas judiciais, além de auditores do Densasus e Receita Federal. Todo o material arrecadado, além dos presos e conduzido, serão levados à Superintendência Regional de Polícia Federal em Alagoas.

DESTAQUE

UTILIDADE PÚBLICA - Coelba alerta para cuidados com a iluminação de Natal

Hora de pensar na decoração de Natal. Nas lojas, ruas e residências, as lâmpadas coloridas e efeitos luminosos começam a dar à cidade o...

AS 5 + LIDAS